É isto mesmo: a cirurgia plástica responsável que deixa as mandíbulas anguladas e o rosto com uma clara definição dos contornos é chamada de mentoplastia de aumento ou aumento mandibular.

O procedimento inclui a colocação de implantes ou preenchedores, que ajudam a esculpir os ângulos da face e torná-la harmoniosa.

Mas quando esta cirurgia é necessária?

A indicação expressa para o procedimento precisa ser dada pelo cirurgião plástico, depois de uma avaliação clínica e comportamental, dentro do consultório.

Os casos mais comuns são de pacientes que sentem um grande incômodo pode ter o queixo pequeno ou uma mandíbula pouco marcada. O aumento mandibular traz equilíbrio à estrutura do rosto.

‘Mento’ significa o queixo e, de uma maneira geral, pessoas que buscam a aumento mandibular tem o queixo rebaixado. Um ícone com esta aparência foi o cantor Noel Rosa.

Para fazer o aumento mandibular, o paciente precisa ter atingido a maturidade dos tecidos, músculos e ossos; o que acontece geralmente no final da adolescência.

O aumento mandibular também pode atender quem já teve o rosto angulado e, com o passar dos anos, perdeu o aspecto mais marcado da mandíbula.

Por conta de o queixo ser uma característica marcante do rosto, é comum ver pessoas que sofrem com essa perda, o que pode afetá-las emocionalmente. Com a idade, a aumento mandibular também faz as pessoas buscarem os consultórios médicos e a cirurgia plástica.

 

Como o queixo ganha volume?

O cirurgião realiza o aumento da mandíbula com implantes especiais de material sintético ou biológico, assim como pode optar por preenchimento com gordura, silicone ou até enxertos ósseos.

Os implantes faciais são feitos a partir de materiais biocompatíveis, ou seja, são materiais que cumprem rigorosas exigências físicas e químicas para que tendam a causar menos reações inflamatórias (naturais da resposta imunológica do organismo) e que possam ser utilizados em tratamentos de saúde.

Para o aumento mandibular, estas próteses podem melhorar a estrutura física do rosto e ter o tipo, tamanho e precisão moldadas a partir da face do paciente.

Todas as características são avaliadas minuciosamente pelo cirurgião plástico, assim como a determinação de qual material deve ser utilizado no aumento mandibular.

Os tipos de implante se classificam pela funcionalidade de cada material e técnica cirúrgica empregada para inseri-los.

 

  • Implantes do mento/queixo: são os que aumentam a projeção dessa área e podem projetá-la de uma maneira mais equilibrada em relação a testa e o terço médio da face.

O equilíbrio e a expressão serão estudadas pelo médico para eliminar a impressão de que o queixo ‘para dentro’ é só um ‘prolongamento’ do pescoço.

  • Implante de mandíbula: neste caso os materiais ajudam a aumentar a largura do terço médio da face.

Para quem não tem uma estrutura mandibular muito marcada (angulosa), o queixo e o pescoço também tendem a parecer um prolongamento um do outro.

Este implante pode ajudar a restaurar o equilíbrio da face, criando um desenho mais ‘marcado’ ao rosto.  

  • Implantes de bochecha: aumentam as maçãs do rosto, criam volume e projetam essa parte da face. Também podem ser utilizados em cirurgias plásticas ou até como adjuvantes ao procedimento de implante de queixo ou de mandíbula, trazendo mais harmonia para o desenho do rosto.   

 

Beleza é sinal de simetria?

Não. Ninguém tem o rosto totalmente simétrico. É muito importante lembrar que a beleza não está ligada a ‘lados iguais’ ou medidas simétricas.

Cada procedimento cirúrgico precisa ser estudado caso a caso, apesar de nossa sociedade cultuar modelos de beleza com essa característica do rosto angulado, como Angelina Jolie, George Clooney, entre outros nomes famosos.

O desenho do nariz, boca, cor dos olhos e bochechas não é necessariamente o que o cérebro lê como ‘bonito’.

A ciência já se debruçou sobre o tema e descobriu que a as distâncias entre olhos e sobrancelhas, assim como um nariz e boca harmoniosos atraem os olhares dos bebês, por exemplo.

E tendemos a achar, no equilíbrio desses elementos, o que consideramos esteticamente belo.

 

Portanto: beleza é muito mais uma questão de proporção e equilíbrio.

A cirurgia plástica de aumento mandibular precisa ser discutida com o cirurgião plástico, passo a passo, entendendo o que se pode esperar em termos de resultados.

É um procedimento que pode ter resultados muito satisfatórios, mudando a percepção que a pessoa tem dela mesma, ao olhar sua imagem no espelho!

  

No consultório, com o seu médico:

  • Pergunte-se sobre as razões que o fizeram querer fazer a cirurgias
  • Verifique suas expectativas quanto ao resultado pretendido
  • Entenda a avaliação que o médico fará sobre sua condição geral de saúde, assim como alergias ou outros tratamentos médicos
  • Fale claramente sobre uso contínuo de medicamentos, suplementações, vitaminas, assim como álcool, cigarro ou outras drogas
  • Cite outras cirurgias que você já tenha feito

 

O aumento mandibular poderá ser feito de uma maneira isolada ou como complemento de outros procedimentos do contorno da face, assim como cirurgias do nariz, orelha, boca.

A média de tempo de duração da cirurgia de mentoplastia é de uma hora, com sedação e anestesia local.

Os pacientes tendem a ter alta no mesmo dia, mas todas as previsões e orientações só poderão ser feitas expressamente pelo seu médico, voltando-se para o seu caso.  

Siga expressamente as orientações quanto ao que fazer no dia da cirurgia, assim como procedimentos quanto à alimentação, banho, medicamentos, informações sobre anestesia e o pós operatório.

Para definir a escolha do médico, confira se ele é membro e está devidamente cadastrado na Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica: aqui.

A habilidade e experiência do cirurgião contam pontos no momento em fazer o procedimento provocando cicatrizes de tamanho e quantidade reduzidas.

 

DR SPÍNDOLA

CRM 92759

*Residência Médica em Cirurgia Geral por 2 anos no Hospital do Servidor Público Municipal (HSPM) de São Paulo.
* Residência Médica em Cirurgia Plástica por 3 anos no Hospital do Servidor Público Municipal (HSPM) de São Paulo.
*Especialista em Cirurgia Geral pelo Conselho Federal de Medicina (CFM).
*Especialista em Cirurgia Plástica pelo MEC – Ministério da Educação.
*Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).