Aumentar o tamanho das mamas é um desejo de pessoas que tem os seios muito pequenos ou tiveram alteração em seu formato por conta de perda de peso, por exemplo.

Outra função da mamoplastia de aumento é reajustar o tamanho das mamas, uma em relação à outra, além da simetria.

Seios de tamanhos diferentes podem ser tratados pela mamoplastia de aumento ou pode ser também um tratamento contra um câncer, que obriga o paciente a tirar parte do seio.

A indicação é individual e só pode ser feita por um médico especialista.

A decisão mais importante que é preciso tomar ao pensar em fazer uma cirurgia plástica é a escolha do médico. O Dr. Alessandro Spíndola é membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica – SBCP e, a exemplo dele, basta o paciente verificar os nomes de membros especialistas ativos; direto no site da instituição. Consulte clicando aqui.

As próteses mamárias geralmente são feitas em silicone, e já não tem mais um prazo de validade determinado. Ainda assim, pode haver necessidade de troca da prótese em uma década ou mais.

O cirurgião plástico deve estar no acompanhamento do paciente, sempre nos tempos ajustados a cada etapa da vida, depois dos implantes.

 

Elas podem ser colocadas:

 

  • Sob o músculo: quando a prótese é posicionada abaixo do músculo, junto à caixa torácica.
  • Sob a glândula mamária: entre o das mamas e o músculo peitoral.

 

A mamoplastia de aumento requer uma avaliação minuciosa para definir o tamanho da prótese.

Para definir isso, basta pensar que os implantes podem ser divididos pelas funções do:

 

Formato da prótese:

  • Em gota – imitando o movimento natural dos seios.
  • Redondas – para quem já tem algum volume nas mamas, mas vai aumentá-lo.

Perfil da prótese:

  • Alto, médio ou baixo. É o que dá o efeito de empinar a mama e pode ser considerado um resultado mais artificial, quando comparados às mamas verdadeiras.  

Tamanho da prótese:

  • É a medida em mililitros. Esse padrão costuma variar também com o passar do tempo. Os modelos de beleza se alternam e a média acompanha esse movimento, sempre de acordo com altura, peso, largura de tórax e quadris, e etc.

Além de verificar todas as medidas do paciente, o cirurgião plástico prepara a mamoplastia de aumento atentando para todos os detalhes que envolvem essa escolha:

Os aspectos emocionais que levaram a buscar a cirurgia.

É muito importante tirar todas as dúvidas no consultório e também falar da ansiedade com o processo, como a pessoa visualiza a vida após a cirurgia e que expectativas estão projetadas nessas imagens, qual a perspectiva realista do resultado e da autoimagem do paciente.

Condições de saúde, testadas em exames laboratoriais e clínicos. O cirurgião plástico dimensiona o tamanho das mamas e também aplica toda técnica para produzir cicatrizes, tanto quanto possível, imperceptíveis.

O reposicionamento das mamas, aréolas e o equilíbrio das medidas de todo o corpo são planejados junto com a cirurgia. Esses parâmetros são pensados a partir da experiência do médico e das expectativas compartilhadas do paciente.

A mamoplastia de aumento pode ser indicada para reconstrução de mamas mutiladas por acidentes ou remoção de tumores, para redução de mamas muito grandes que causam problemas de coluna, para aumento de mamas muito pequenas que afetam a autoestima e para mamas com flacidez excessiva devido a gravidez ou envelhecimento.

Entender o processo, ter todas as questões respondidas e uma explicação clara de tudo que é preciso saber, antes e depois da mamoplastia de aumento, são atribuições do cirurgião plástico. Lembre-se: escolha cuidadosamente!

 

Perguntas Frequentes

Principais dúvidas sobre os procedimentos

Mulheres com mamas muito pequenas, flácidas ou assimétricas.

A incisão é feita pela aréola, no sulco abaixo dos seios ou pelas axilas. Conforme o caso a prótese será colocada na frente ou atrás do músculo.

São pequenas e ficam disfarçadas nas dobras do corpo.

Local com sedação ou peridural.

Em média 1 hora.

De 12 a 24 horas.

Para um resultado satisfatório é necessário levar em conta as necessidades da paciente e as condições físicas para decidirmos qual a melhor incisão, disposição em relação ao músculo, o modelo de prótese e principalmente definir um tamanho proporcional que realce a beleza das mamas.

É preciso realizar todos os exames solicitados pelo cirurgião e informá-lo sobre todos os remédios que faz uso, desde anticoncepcionais até antidepressivos. Na cirurgia, você será anestesiada (o) e alguns medicamentos podem alterar a coagulação levando a um sangramento excessivo. Se estiver tomando medicamentos à base de ácido acetilsalicílico, antigripais, inibidores de apetite, ginseng ou gincobiloba, interrompa o uso 14 dias antes da cirurgia.

É recomendado o uso de sutiã específico, peça indispensável no primeiro mês para oferecer sustentação e acomodação do novo formato. Nesta fase não faça movimentos bruscos ou levante os braços acima dos ombros e durma somente de costas. Geralmente, após o 3º dia, não existe qualquer inconveniente em expor-se ao sol ao sair de casa, desde que aplicando o protetor solar FPS 30. Entretanto, para exposições longas (praias, banhos de sol), aconselha-se aguardar um período mínimo de 90 dias.

Após uma semana a 10 dias, mas evite movimentar os braços acima dos ombros, até liberação médica. A prática de atividade física só deve ser retomada após 30 dias, com exercícios leves somente nos membros inferiores e caminhadas. Para exercícios de “alto impacto”, o ideal será esperar 60 dias.

 

DR SPÍNDOLA

CRM 92759

*Residência Médica em Cirurgia Geral por 2 anos no Hospital do Servidor Público Municipal (HSPM) de São Paulo.
* Residência Médica em Cirurgia Plástica por 3 anos no Hospital do Servidor Público Municipal (HSPM) de São Paulo.
*Especialista em Cirurgia Geral pelo Conselho Federal de Medicina (CFM).
*Especialista em Cirurgia Plástica pelo MEC – Ministério da Educação.
*Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).


WhatsApp chat