A cirurgia de reconstrução de mama é extremamente importante no processo de vencer o câncer. Ela faz parte do tratamento de saúde e a literatura médica já comprovou que, toda vez que a cirurgia de reconstrução de mamas pode ser feita logo depois da mastectomia (que remove o seio ou parte dele), a recuperação da mulher é mais rápida!

Por isso, o impacto da cirurgia plástica atinge diretamente um problema intangível, que é o aspecto emocional e os desdobramentos dele na autoestima. É muito bom que o procedimento da reconstrução de mama tenha resultados tão positivos.

 

————————————————————————————

 

*Muito importante!

 

Ao cogitar fazer uma cirurgia plástica, a primeira coisa que se deve pensar é a escolha do médico.

O site da SBCP – Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica disponibiliza uma ferramenta de pesquisa, e o os nomes dos membros podem ser consultados aqui.

Alessandro Spíndola

CRM 92759

*Residência Médica em Cirurgia Geral por 2 anos no Hospital do Servidor Público Municipal (HSPM) de São Paulo.
* Residência Médica em Cirurgia Plástica por 3 anos no Hospital do Servidor Público Municipal (HSPM) de São Paulo.
*Especialista em Cirurgia Geral pelo Conselho Federal de Medicina (CFM).
*Especialista em Cirurgia Plástica pelo MEC – Ministério da Educação.
*Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).

————————————————————————————–

Enfrentar um tratamento de câncer é um processo intrincado, que pode levar à depressão ou quadros difíceis, para além da fragilidade física. Esse é o principal aspecto a ser considerado ao optar pela reconstrução de mama.

Os médicos avaliam as condições do tecido, da área afetada, e a ciência coleciona exemplos que resultam em cicatrizes que celebram a vida! A visão plástica é um motivador para encontrar a melhor solução, a mais saudável e viável de devolver um (ou ambos) seio para paciente, a sensação de tê-lo(s).

É uma cirurgia plástica oferecida pelo INCa e o cadastramento do paciente no Sistema Nacional de Regulação (SISREG), que une todos os pacientes em um banco de dados nacional, único. Essa cadeia trabalha em função de dar acesso a um número maior de mulheres.

E nas clínicas e consultórios particulares tem um ponto em comum com esse sistema:

Um único gesto une todas as mulheres.

Ele tem sido divulgado em 2018 por conta do entendimento de que as mulheres não tem feito o autoexame de toque na mama com regularidade.

Sobre o autoexame de mamas:

  • Não é um exame preventivo ao câncer. O principal benefício é permitir que a mulher conheça melhor o seu corpo e identifique sinais que podem indicar a presença da doença.
  • Deve ser feito uma vez ao mês.
  • Entre o 3# e 5# dia depois da menstruação, quando as mamas já estão sem dor e com textura mais flácida.
  • A mulher também pode estipular uma data fixa no mês para o autoexame, desde que seja um momento em que não haja menstruação.
  • Devem fazer mulheres acima dos 20 anos com caso de câncer na família.
  • Possíveis alterações podem e devem ser investigadas: mostre para o seu médico ou médica.

 

A ciência também já mostrou que o câncer de mama, quando detectado cedo, é altamente tratável. O autoexame precisa ser um hábito, cultura de cuidado da mulher.

 

DR SPÍNDOLA

CRM 92759

*Residência Médica em Cirurgia Geral por 2 anos no Hospital do Servidor Público Municipal (HSPM) de São Paulo.
* Residência Médica em Cirurgia Plástica por 3 anos no Hospital do Servidor Público Municipal (HSPM) de São Paulo.
*Especialista em Cirurgia Geral pelo Conselho Federal de Medicina (CFM).
*Especialista em Cirurgia Plástica pelo MEC – Ministério da Educação.
*Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).


WhatsApp chat